b682607a-eb9b-4e7c-8221-d271e372ff76.JPG

(Foto por Pablo Zanella)

COMO FECHAR UMA PARCERIA

PARA O MEU PROJETO MUSICAL?
DO INICIANTE AO MAINSTREAM.

                                                      Por Henrique Garcia Roncoletta.

 

 

Fala galera, como você estão? O que estão achando do festival “Toca Que Eu Te Escuto”? Já tem o seu artista favorito, ou a sua banda favorita? Ainda tem muita coisa boa para acontecer por aqui, e enquanto toda essa música vai rolando pelas redes sociais, vou aproveitar esse meu espaço aqui no blog do festival para falar sobre um dos pontos que mais alavancou e significou a minha carreira até aqui, tanto como músico na banda NDK, como na Marã Música, minha empresa de marketing e de relações públicas dentro do mercado da música no Brasil.

 

Uma parceria, o que é exatamente uma parceria? Como você constrói algo comercial e ao mesmo tempo com uma relação real de proximidade, de troca, e de tudo mais que o significado da palavra parceria permite.

A resposta de bate pronto é uma só: com uma verdade bilaterall, ou seja, com uma verdade que vem dos dois lados! Se essa verdade existir, com certeza tudo que a gente venha a desenhar com essa ação ou conexão, dará certo.

Uma marca, ou uma empresa, sempre tem interesse em se unir com música e cultura, isso porque, isso traz uma abertura única para essas empresas, e permite que elas cheguem em lugares que sozinhas elas muito provavelmente não chegariam. Já um artista, pode encontrar várias formas interessantes de se unir com essa empresa ou essa marca, e conseguir assim uma maior vitrine, ou uma maior força para alcançar voos maiores dos que ele daria sem essa troca ou esse apoio.

O primeiro passo para que isso aconteça, é você entender realmente quem é o seu público e qual é o estilo de vida que ele leva. Com isso conseguiremos construir uma lista de marcas que tenham ligação com esse estilo, que conversem com esse público e que tenham uma comunicação próxima ao universo do artista. O segundo passo é você entender qual projeto ou ação irá oferecer para esse possível apoiador/parceiro, e saber exatamente como tudo vai acontecer no período em que o projeto estiver no ar, para conseguirmos entender a melhor maneira de incluir a marca dentro dessa história toda. O terceiro passo é criativo/digital e se resume no preparo de uma ótima apresentação para essa marca ou para esse parceiro, um arquivo que por si só explique tudo que vamos fazer, e mostre todo o potencial de entrega que temos como artistas para o público que a marca precisa alcançar. E o “último” ponto, é entregar tudo isso que preparamos e pensamos na mão da pessoa certa, que normalmente é o responsável pelo marketing ou pela publicidade da empresa ou da marca. Muitas vezes após fazer todos os primeiros passos da forma correta, erramos no último e infelizmente tudo que imaginamos não chega a uma conclusão. Mas caso esses 4 pontos aconteçam, a sua chance de ter um novo parceiro é muito grande, e daí começa uma nova aventura, que é: como manter, agradar e se inserir cada vez mais na rotina de ações e criações desse parceiro, mas isso nós deixaremos para um próximo texto.

 

Quero deixar só mais uma coisa muita clara. Independente do tamanho do seu projeto (Artista iniciante, intermediário ou mainstream), é possível ter parceiros e criar conexões para alavancar ideias. Pense sempre fora da caixa e acredite no que é diferente do convencional. Só assim, teremos ideias geniais.

 

Um ótimo festival a todos e até breve.

 

Rike

mara_logo_verdeamarelo.png